28 de mai de 2011

Antônio Palocci: o novo gênio das finanças.



Mais um mês se finda, e o salário chega.
É com tristeza que verifico meu saldo e os respectivos descontos.
Como é de conhecimento da maioria trabalhadora desse País, mais da metade de nossos ganhos é destinado para os impostos.
Sento-me na sala para conferir minhas contas e ver onde terei que ‘’apertar’’ um pouco mais nesse mês quando o jornal anuncia que Antônio Palocci fez seu Patrimônio crescer 20 vezes desde de 2006.
Confesso que nem imagino o que seja isso dentro da minha realidade.
Esses dias li uma frase num carro que dizia: política não deveria ser profissão.
No exato momento em que terminei de ler tal expressão de originalidade veio à mente os cursos que temos em nosso País como, por exemplo, Ciências Políticas.
Quantos de nossos políticos, eleitos por nós, terminaram ao menos o segundo grau? Ou iniciaram uma graduação, uma pós graduação, um doutorado e quisá um pós doutorado?
Quantos de nossos políticos sabem o que significa na semântica a palavra POLÍTICO?
Quantos de nossos políticos merecem estar onde estão?
Todos os dias uma falcatrua vem à tona, seja na TV, no jornal, no rádio ou nas músicas.
É dinheiro na cueca, na meia, na calcinha. Dinheiro fácil, código penal brasileiro falido.
Palocci quer nos fazer acreditar que ele trabalhou ( e muito! ) para aumentar em 20 vezes seu patrimônio. No que diz respeito aos nossos políticos e o que acompanhamos desde a época de Dom Pedro tem como acreditarmos nisso?
No dia 26 de maio de 2011 a presidente Dilma sai em defesa de Palocci dizendo que o mesmo está respondendo a todas essas calúnias e esclarecendo esse grande mal entendido. Tolinhos somos nós que trabalhamos de sol a sol, muitos trabalham sábados, domingos, feriados. Outros tantos enfrentam noites na estrada, outros tantos ficam sem ver suas famílias por meses, enquanto senhores de terno e gravata, em suas salas com ar condicionado que deveriam estar prestando serviços à comunidade que os colocou lá dentro, rascunham em papéis machê o próximo discurso engana trouxa.
A senhora presidente, após não tão secreta reunião com o ex sempre eterno senhor Lula, defendeu Palocci, e como aprendeu rápido a ''marchinha Lula'': não vi, não sei de nada.
É incrível como um partido político pode ser tão unido, tão irmão, tão companheiro pelos seus ideiais. Bonito isso.
Ao mesmo tempo penso que isso é bom, muito bom. Qual a porcentagem de aprovação do atual governo Dilma? Com quantos votos ela foi eleita? E com quantos votos o ex sempre eterno Lula foi eleito ( lembro-me que até filme em sua homenagem ele ‘’ganhou’’ )?
Quem elegeu Dilma, Lula, Sarney, Collor, Tiririca, Marta Suplicy, Romário, Netinho de Paula,  Túlio Maravilha, Léo Áquilla, Castanha, o sósia do dançarino Lacraya ( in memoriam )?
Quem coloca quase todos os anos essas pessoas em suas salas para administrar um País?
Nós, meus amigos e amigas. NÓS.
Voltando ao porquê de achar isso bom: quando estamos dormindo e tendo bons sonhos não acordarmos, quando o esse sonho vira pesadelo acordamos rapidamente, assustados, ofegantes, querendo nos livrar logo de tal sensação que se acometeu em nosso corpo e mente.
Faz anos que estamos tendo pesadelos, e chegou a hora de tirarmos as sensações que eles nos causam. Temos uma máquina poderosa para isso:  A URNA ELETRÔNICA, que tal utilizá-la a nosso favor dessa vez?
Enquanto o governo, em paralelo, fornece pão e circo aos seus súditos ( como a polêmica em torno do KIT anti homofobia criado por outro órgão do próprio governo ), nossos prezados senhores engravatados triplicam seus salários, aprovam leis em benefício próprio e criam mais um bolsa auxílio.

Conclusão do dia: Antônio Palocci, visto a genialidade nas finanças particulares alcançadas, deveria ser eleito Ministro da Fazenda.
Mariane Boldori

27 de mai de 2011

Arnaldo Jabor

Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, nos bares, levanta
os braços, sorri e dispara: ´eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e
todo mundo é meu também´.
No entanto, passado o efeito do uísque com energético e dos beijos
descompromissados, os adeptos da geração ´tribalista´ se dirigem aos
consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo e
reclamam de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição.
A maioria não quer ser de ninguém, mas quer que alguém seja seu.
Não dá, infelizmente, para ficar somente com a cereja do bolo - beijar de língua, namorar e não ser de ninguém. Para comer a cereja é preciso
comer o bolo todo e nele, os ingredientes vão além do descompromisso, como:
não receber o famoso telefonema no dia seguinte, não saber se está namorando mesmo depois de sair um mês com a mesma pessoa, não se importar se o outro estiver beijando outra, etc, etc, etc.


Desconhece a delícia de assistir a um filme debaixo das cobertas num dia chuvoso comendo pipoca com chocolate quente, o prazer de dormir junto abraçado, roçando os pés sob as cobertas e a troca de cumplicidade, carinho e amor.
Namorar é algo que vai muito além das cobranças. É cuidar do outro e ser
cuidado por ele, é telefonar só para dizer bom dia, ter uma boa companhia
para ir ao cinema de mãos dadas, transar por amor, ter alguém para fazer e
receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter ´alguém para amar´.. Somos livres para optarmos! E ser livre não é beijar na boca e não ser de ninguém. É ter coragem, ser autêntico e se permitir viver um sentimento...

18 de mai de 2011

E o Pânico ficou em Pânico


Há uns dois meses o programa Pânico na TV vinha apresentando um quadro intitulado ‘’As Tchecas do Brasil’’, o que parecia um chamariz fácil de audiência, tornou-se o maior golpe publicitário na TV brasileira, que tem o seu lucro monetário contado em segundos.
As duas moças, respectivamente Michaela e Dominika, ficaram famosas após a criação do Blog em que ambas falam do amor pelo Brasil.
Vendo o alto número de acessos dos internautas, o Pânico na TV chamou as moças para fazer parte desse que, para mim, é um programa de péssimo gosto, com baixarias, machismo, egos inflados e tudo de ruim que um programa pode agregar.
E dessa vez foi a vez da caça.
Acostumados a ver ou ouvir que o Pânico humilhou fulano, incentivou o preconceito em cicrano, fez algo vexatório com outrem, pudemos acompanhar ‘’la dolce’’  vingança.
As coisas são frias no mundo monetário.
Para quem não sabe o quadro em que as belas moças apareciam é patrocinado pela AMBEV, que promove a marca Skol.
Após seis semanas de muito sucesso, as belas ficaram feias.
Elas foram contratadas pela empresa CPBB ( Companhia Brasileira de Bebidas Premium ), que vai lançar a cerveja ‘’Proibida’’ para abocanhar uma boa fatia dos bebedores de Skol. O Blog em que elas aparecem foi produzido intencionalmente pela empresa para divulgação na nova cerveja.
Opa! Quer dizer que as moças usaram da boa alma dos produtores e adjuntos do Pânico na TV para fixarem a imagem delas, e, com isso, quando lançarem a cerveja , você com certeza se lembrará delas!


Golpe de mestre! Sim.
Desonesto? Tenho dúvidas.
Penso que o mercado é dos espertos, e elas foram espertas ( a empresa e as moças ). O Pânico na TV estava com fome, e quando o animal tem fome, não pensa duas vezes antes de atacar sua presa. A estuda e abocanha num golpe perfeito, o problema é quando a presa sobrevive, debate-se na boca do animal e escapa, e volta mais fortalecida.
As duas moças conseguiram seus objetivos: quando lançarem a tal ‘’Proibida’’ serão lembradas por muito tempo, e a Playboy já andou sondando.
O diretor do programa, Alan Rapp, desabafa:  "Só acredito nessa história quando ver essa cerveja no supermercado. Que credibilidade tem uma empresa que engana o Brasil inteiro?"
Pois é, penso eu com meus botões, que credibilidade tem um programa como o Pânico na TV que humilha entrevistados, coloca-os em posição vexatória, ou EXIGE que seus personagens façam coisas absurdas como lamber o corpo um do outro, ou serem pendurados pelas calcinhas e puxados por um guindaste para testar se o elástico aguenta.
Enfim, esses são só alguns exemplos. Não meus amigos, não assisto a esse programa. Seria muito hipócrita se o fizesse e falasse mal do mesmo, mas procuro estar sempre bem informada.
Trouxe essa questão ao nosso espaço porque fiquei surpresa pelo ‘’ibope’’ que essa notícia está rendendo, inclusive os comentários afoitos e calorosos nas páginas da internet.
Com certeza entrará no próximo livro das faculdades de Marketing, com dedicatória da equipe do Pânico na TV. E, dessa vez, não vai descer ‘’redondo’’.

15 de mai de 2011

Um pouquinho de Clarice Lispector


''Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer.''


14 de mai de 2011

Dica de Filme: Elsa e Fred, um amor de paixão.



Nunca antes no cinema eu havia acompanhado um casal octogenário fazendo cenas tão brilhantes, tão majestosas e emocionantes como no filme Elsa e Fred.
Elsa tem um sonho: refazer a cena do filme La dolce Vita, na qual Anita se banha na Fontana di Trevi. Mas Elsa não tem seu ''Mastroianni'', até que um belo dia Fred, um senhor desgostoso da vida, muda-se para o apartamento ao lado do seu... e a partir daí começa uma das histórias mais lindas, cativantes, singelas que o cinema já produziu.
A sensibilidade do diretor, do roteirista deixam as nossas emoções à flor da pele, as cenas de amor entre o casal nos faz ter a certeza de que nunca é tarde para se viver um grande amor.
Um filme para nos fazer rir, refletir, emocionar, para ver e rever sempre que a saudade apertar.
Particularmente é o filme de amor mais lindo que eu já vi.

Em tempo: atenção redobrada para as cenas na Fonte, inenarrável!

Título: Elsa e Fred, um amor de paixão.
Lançamento: 2005 ( Argentina )
Gênero: Drama
Color

4 de mai de 2011

Aqui jaz ... a democracia.


Mais uma vez usarei nosso espaço, meus amigos e amigas para dividir aqui meu ponto de vista com vocês sobre o que os meios de comunicação estão divulgando em massa: o assassinato de Osama Bin Laden.
Se, eu escrevo ‘’se’’, Bin Laden foi morto em uma emboscada, o país que se auto intitula o mais democrático do mundo errou, e errou burramente ao atirar em um homem desarmado. Cadê os direitos humanos?!
Independe de quem seja esse homem, independe o que ele faça, onde anda a democracia? Democracia essa que tal país todos os dias joga na cara do mundo.
Quanta hipocrisia! Seriam os norte americanos ‘’deuses’’, a ponto de prenderem um homem, humilhá-lo, julgá-lo e matá-lo?
Do que adiantam as pompas se a cada dia eles cometem mais imbecilidades, mais exemplos de como não devemos nos portar com o próximo.
Tenho que para mim tudo não passou de um filme ‘’B’’, produzido por um estagiário bem intencionado de Hollywood.
Morto? Domingo? Numa emboscada? Desarmado? Algo está errado, Bin Laden desarmado, o maior terrorista com certeza não baixaria guarda um minuto que fosse ele é daqueles homens que dormem com um olho aberto e outro fechado.
Quando melhor convém aos Estados Unidos, quando sua economia está conturbada, eles servem pão e circo ao povo, parabéns ao administrador Barack Obama.
Não que isso irá mudar a história, Bin Laden morto ou vivo fez seus estragos no mundo estou cansada de ver os políticos nos tratarem como fantoches.
Chega de cuspirem histerias na imprensa e nos fazerem engoli-las com pimenta e sem direito à água.
Bin Laden foi pego desarmado, em sua mansão ( não, ele não estava em um buraco no meio do deserto como a Rede Globo tanto anunciou ), morto, e jogado ao mar para os tubarões comerem, e o bonzinho governo norte americano estuda a hipótese de divulgar as imagens ao mundo, ainda não o fizeram, conforme o bom coração político, para não causar mais histeria entre os povos, na verdade, eles estão editando o filme ‘’B’’.
Chega de hipocrisia, chega de falsos moralistas e falsa democracia.
Aqui jaz uma ex idiota.

Mariane Boldori

A robotização da massa

Vejo pessoas  robotizadas  pelas ruas, cabeças baixas, dedos deslizando sobre pequenas telas pretas. Ando pelas calçadas com as mãos nos ...