21 de abr de 2017

Somos sempre bons ?

Ontem assisti a um filme, não é muito novo, porém seu tema é bem atual, chama-se: Um dia de fúria, protagonizado por Michael Douglas.
E o mais interessante é que o tema vem justo no momento em que as famílias estão reunidas falando sobre paz, amor, calma, serenidade, bondade.
Lembro-me que um dia, conversando com uma amiga, falávamos sobre nossos instintos, que com certeza, desconhecíamos do que somos capazes.
Ela, exaltou-se e disse: eu jamais mataria, ou feriria alguém! Aquela velha frase: não mato nem um mosquito. Pois bem, joguei mais lenha na fogueira e indaguei: e se um dia você chegasse em casa e percebesse que causaram algum mal ao seu filho ou sua mãe?
Ela pulou da cadeira de pronto e disse: Aí a história muda!
Eu sorri. Somos seres racionais, mas na hora do aperto, quando a vida testa nossa paciência ao limite, é que descobrimos quem somos de verdade, e mais ainda quando a nossa base de fé em Cristo não é concreta.
Voltando ao filme, em muitos pontos me identifiquei com aquele personagem, não apenas identifiquei a mim, mas a muitos que conheço. Chega um momento em que simplesmente o copo, quase cheio, recebe aquela última gota para transbordar e, aí que vem a força interior para nos segurar ou extravasarmos, o que vai depender de nossa compreensão espiritual.   
Seja no emprego, na escola, no trabalho, em casa... Momento, em que você corre para o médico atual: Google e digita desesperadamente, palavras desconexas atrás de uma “cura” ou “ajuda”. Começa a meditar, respira 30 vezes, toma água, deita de barriga pra baixo, ergue as pernas, quando percebe seu corpo está contorcido sobre o tapete e seus pensamentos ainda estão naquilo ou naquele que  provocou em você, toda a turbulência interior.
E a paz que  você demorou para alcançar, esvaiu-se, e você não consegue recuperá-la tão cedo.
Psicólogos, analistas, remédios, você utiliza de todas as ferramentas que estão fácies, táteis. No momento da raiva, não tem como pensar em algo mais intrínseco, mais religioso. Você quer a solução já e, não esperar o tempo certo. Muitas vezes, quando chegamos ao fundo do poço, ou por esgotamento ou por raiva, não enxergamos o que está em nossa frente e nos aprofundamos em campos que nos fazem sofrer, mas que ao mesmo tempo,  ajuda a nos conhecermos verdadeiramente ou quem sabe conhecer ao outro.
Olhe-se no espelho, olhe bem dentro dos seus olhos e diga: Olá, eu sou o(a) fulano(a), prazer em conhecê-lo(a)!
É incrível, como temos dificuldades em nos olharmos, em nos permitir conhecermos.E isto, só vai acontecer quando algo “romper-se” aí sim, procuraremos nos reencontrar, nos redirecionar e saberemos  que a oração e o perdão são medicamentos infalíveis em todas as ocasiões de nossa vida, por isso,ela deve ser primordial e, a vigilância constante, pois todos somos bons, até o momento em que somos testados. 
Fotos: Google

13 comentários:

  1. Para que possamos atravessar as turbulências com serenidade é primordial que aprofundemos nossa fé e exercitemos a nossa espiritualidade porque só elas poderão nos dar o suporte para o discernimento e a razão
    Uma excelente texto para reflexão Marli. Amei te ler
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Acredito que nem sempre conseguimos nos manter numa boa...Quando mexem com os nossos, viramos leoas,rs... Há então de se ter equilíbrio e moderação, não nos deixar ir pelo impulso da hora da ira! bjs, chica, lindo fds!

    ResponderExcluir
  3. Marli,
    É a terceira vez que o comentário volta para trás por não ser reconhecido o endereço. Este ficará?

    ResponderExcluir
  4. Quando nos encontramos perante uma situação de grande aperto, fazemos tudo para sair dela. Só aí conhecemos os nossos limites.
    Mais um excelente texto de e para reflexão.
    Bjinho, Marli

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso texto! Para ler e reflectir! Adorei.

    Beijo e um excelente sábado.

    ResponderExcluir
  6. Não vi o filme e deve ser muito interessante, como é interessante tudo quanto escreveu e que me serve de reflexão...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia, é normal que durante os anos vividos, tenhamos dias melhores e piores, neste, temos que saber arranjar soluções para ultrapassar o que tem que ser ultrapassado, sem perdermos a dignidade.
    AG

    ResponderExcluir
  8. Marli, somos seres imprevisíveis, muitas vezes não sabemos que reação teremos diante dos fatos. Mas todos nós temos limites, sabemos até onde podemos controlar certas situações. Depois... só Deus sabe. Vi o filme, virgi!!!
    Um beijo, querida amiga, ótimo texto.

    ResponderExcluir
  9. Marli
    Por nos defendermos não nos tornamos maus, porém devemos sempre nos afastarmos de maus encontros, em autodefesa. Como fui mobilizado guerreiro para Angola, comigo não aconteceu, mas tive camaradas que mataram para não morrer. Conheci até o caso dum soldado que foi condecorado por herói, sabendo-se que se
    não se lhe apresentasse um caso extremo, ele não seria capaz de matar uma mosca, mas a defesa do vida fez-lhe subir a adrelalina.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá amiga! Retornando as minhas atividades nos blogs, fiquei afastada por um tempo, problemas de saúde que estão passando graças a Deus. Aproveito para desculpar-me pela ausência e assim que puder retornarei aqui com muito prazer pois amo suas postagens e a pessoa que você transmite ser. Como são muitas visitas, hoje estou com esse comentário para todos, mas saiba que se estou aqui o meu coração também está repleto de alegria. Abraços, que jesus nos abençoe sempre.
    Profª Lourdes Duarte
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá...

    Assisti ao filme e penso que muitos estão vivendo no limite e isto me assusta. Entretanto, procuro ter bons pensamentos em relação a todos os fatos que ocorrem e que vemos por todos os lados. Uma coisa é certa, apesar de tudo, caminhamos por um caminho que nos ensina a melhorarmos como pessoas.

    A humanidade já teve dias piores, estamos evoluindo com certeza.

    Felicidades mil.

    ResponderExcluir

Sejamos o milagre

Costumo dizer que nunca um filme é 100% perdido, mesmo aqueles que não caem em nosso gosto artístico por completo. Sempre há possibilidad...